#


https://www.instagram.com/msjoiasfolheada/

Por meio de parecer enviado ao Tribunal Regional Federal da 5ª Região (TRF5), o Ministério Público Federal quer que a União, o estado do Ceará e o município de Barbalha, de forma solidária, sejam obrigados a custear imediatamente o tratamento oncológico de pacientes da macrorregião do Cariri que se encontram em fila de espera do Hospital e Maternidade São Vicente de Paulo, conveniado ao SUS e referência no tratamento de câncer.

A procuradora regional da República, Isabel Guimarães da Camara Lima, defende que seja reformada a decisão, proferida pela Justiça Federal em 1ª instância do Ceará, que negou o pedido liminar para que os União, estado e município garantam o atendimento aos pacientes, no prazo máximo de 60 dias, após confirmado o diagnóstico de câncer, conforme estabelece a Lei 12.732/2012.

O caso

O processo é fruto de ação civil pública ajuizada pelo MPF no Ceará após levantamento da Coordenadoria Regional da Central de Regulação da Macrorregião do Cariri apontando a existência de mais de 300 pessoas aguardando na fila de espera do Hospital e Maternidade São Vicente de Paulo. De acordo com os dados, alguns pacientes estão esperando aproximadamente um ano para começar o tratamento contra o câncer, ou seja, seis vezes mais do que o prazo de 60 dias estabelecido em lei. Outras pessoas inseridas na fila de espera morrem por conta da doença.

Ao indeferir a liminar, a Justiça Federal no Ceará destacou que a questão deve ser solucionada pelos entes federados. “O magistrado incorreu em grave equívoco ao ter transferido às partes litigantes a obrigação de solucionar a questão posta, face necessária urgência, vez que se encontram em risco vidas de pessoas carentes de recursos”, assinala a procuradora Isabel Guimarães.

O MPF reforça ainda que o atendimento rápido e eficaz aos cidadãos acometidos por gravíssima doença é fundamental para o seu sucesso. “Nunca será demais ressaltar a máxima que diz: “O câncer não espera. Cuide-se já”, adotada em campanha visando alertar a sociedade acerca dos perigos decorrentes do adiamento do início do tratamento, especialmente em um contexto de pandemia em que o Brasil se insere”, destaca a procuradora regional da República no parecer. Veja na íntegra o parecer clicando aqui.

 

Comentários de Facebook
Carregar mais artigos relacionados
Carregar mais por Junior Moral
Carregar mais em Saúde

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Verifique também

PF prende três suspeitos de integrar esquema milionário de tráfico de fósseis do Cariri para Europa

Três homens foram presos na manhã desta quinta (22) em Santana do Cariri e Nova Olinda, su…